20 Novembro 2023

O setor têxtil apresenta-se como um dos mais poluentes do mundo, sendo responsável por cerca de 10% das emissões globais de gases com efeito de estufa (GEE). A produção de vestuário e outros materiais  têxteis requerem grandes quantidades de água, energia e recursos naturais, e gera uma grande quantidade de resíduos.

Neste cenário, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) apresentam um grande potencial relativamente ao desenvolvimento de soluções que visam a redução da poluição neste setor. Estas tecnologias podem ser utilizadas para melhorar a eficiência da produção, reduzir o desperdício e promover a sustentabilidade.

O desafio do excesso de produção e as TIC

Uma das principais causas da poluição no setor têxtil é o excesso de produção. As empresas têxteis produzem mais vestuário e têxteis do que é necessário, levando a um excesso de stocks e a um aumento dos resíduos resultantes do processo produtivo.

Neste contexto, as TIC têm sido cada vez mais procuradas pelas empresas como estratégia de redução o excesso de produção. Por exemplo, a inteligência artificial (IA) pode ser utilizada para prever a procura de produtos, ajudando as empresas a produzir apenas o que é necessário, permitindo reduzir o desperdício de material e o impacto ambiental:

A XNfy Lab desenvolveu uma plataforma de IA que ajuda as empresas de moda a prever a procura de produtos com maior precisão, bem como a otimizar as suas cadeias de abastecimento. Isto permite que as empresas reduzam as emissões de gases com efeito de estufa e a melhorar a eficiência. Empresas como a Primark, a Salsa Jeans e a C&A, estão já a utilizar esta plataforma por forma a reduzir o desperdício e fomentar a sustentabilidade no setor.

Já a Armani utiliza um algoritmo de IA que analisa dados históricos de vendas, tendências de moda e dados demográficos para prever a procura de uma variedade de produtos, incluindo roupas, acessórios e perfumes. Esse algoritmo permite à marca produzir apenas a quantidade de produtos necessária para atender à procura. A empresa estima que a utilização da IA ajudou a reduzir o desperdício de material em 20% desde a sua implementação, que equivale a uma poupança de cerca de 10 milhões de euros por ano. Outras empresas que utilizam IA para prever a procura incluem a Zara, a H&M e a Nike.

Sustentabilidade e a evolução pós-covid

A pandemia de COVID-19 teve um impacto significativo no setor têxtil a nível mundial. A redução do consumo de vestuário e têxteis levou a um aumento do desperdício de material. Por outro lado, a pandemia também conduziu:

  • À maior consciencialização por parte dos consumidores relativamente ao impacto ambiental da indústria da moda;
  • Ao aumento do comércio eletrónico;
  • À maior procura de vestuário confortável (pijamas e roupa desportiva) e vestuário sustentável.

As empresas de moda estão a responder a estas tendências investindo em tecnologias como a IA. Esta tecnologia tem o potencial de revolucionar a forma como as roupas são projetadas, produzidas e consumidas, e ao mesmo tempo contribuir para a redução do seu impacto ambiental. Por exemplo:

  • Desenvolvimento de tecidos inteligentes: Os tecidos inteligentes são tecidos que possuem propriedades especiais, como a capacidade de mudar de cor, temperatura ou textura. Podem ser utilizados para criar roupas que se adaptem às condições climáticas ou às necessidades do utilizador; também podem ser utilizados para criar roupas com funcionalidades especiais, como a capacidade de monitorizar a saúde do utilizador ou de carregar dispositivos eletrônicos; empresas que estão a apostar em tecidos inteligentes são por exemplo a Decathlon, Nike e Adidas; a IA também permite otimizar a produção destes tecidos inteligentes, o que pode reduzir o desperdício de material e o impacto ambiental.
  • Desenvolvimento de novos materiais têxteis sustentáveis: A IA está a ser utilizada por exemplo, pela empresa Lenzing que desenvolveu um novo tipo de fibra celulósica feita de resíduos de madeira.

A realidade virtual (RV) também é uma ferramenta com elevado potencial na redução de custos de desenvolvimento, para além de permitir acelerar o processo desde a conceção à comercialização: A Levi’s tem vindo a utilizar a RV para projetar roupas de forma mais eficiente: um software de RV permite aos designers visualizar e experimentar roupas virtualmente, nos seus diferentes designs e tamanhos, sem ter de produzir protótipos físicos. A empresa estima que a utilização da RV ajudou a reduzir o desperdício de material em 30%.  Outras marcas também já recorrem a esta tecnologia, nomeadamente a Nike, a Adidas ou a Ralph Lauren.

A COVID-19 também teve um impacto significativo na cadeia de abastecimento têxtil. As interrupções na produção e no transporte conduziram a atrasos e a aumentos de custos. As empresas têxteis tiveram assim de adotar novas estratégias para lidar com estes desafios. Muitas empresas, como a H&M passaram a produzir mais localmente, para reduzir a dependência das cadeias de abastecimento globais; Outras empresas passaram a utilizar tecnologias de rastreamento e visibilidade da cadeia de abastecimento para melhorar a eficiência e a transparência. A Nike por exemplo, utiliza essas tecnologias para rastrear o movimento de materiais e produtos acabados ao longo da cadeia de abastecimento, desde a produção até ao consumidor final.

O desafio da redução de consumo

Mas como reduzir o consumo se a moda por definição é passageira, o ciclo de vida dos produtos é curto e é incentivado o comportamento de recompra?

Num mundo voltado para o consumo não se podem esperar milagres, no entanto é possível trabalhar na otimização. As TIC podem ser utilizadas para promover uma otimização do comportamento de consumo de vestuário e têxteis em diversas vertentes. Por exemplo:

  • Criação de experiências virtuais para os consumidores: A realidade virtual (RV) e a realidade aumentada (RA) podem ser utilizadas para ajudar os consumidores a visualizar como as roupas ficarão neles antes de comprá-las. Isso pode reduzir o número de devoluções, que são uma das principais causas do desperdício de vestuário. A empresa H&M está a utilizar a realidade aumentada para ajudar os consumidores a visualizar como as roupas lhes vão assentar antes de comprá-las, iniciativa que ajudou a reduzir o número de devoluções em 20%;
  • Promoção de serviços de reparação e reutilização: As TIC podem ser utilizadas para promover serviços de reparação e reutilização de vestuário, ajudando a prolongar a vida útil das roupas e reduzir a necessidade de comprar novas roupas. A empresa ThredUP é um mercado online de roupas usadas, que recorre a algoritmos para recomendar roupas aos consumidores com base nas suas preferências, proporcionando assim uma abordagem mais balizada e sustentável.
  • Educação dos consumidores sobre a sustentabilidade: As TIC podem ser utilizadas para educar os consumidores sobre os impactos ambientais da indústria da moda. Isto pode ajudar os consumidores a tomar decisões de compra mais sustentáveis. As TIC utilizadas para a educação dos consumidores sobre a sustentabilidade estão intimamente ligadas à Internet of Things (IoT):
    • Sites e aplicações web: uma forma mais “tradicional” mas ainda assim eficaz de fornecer aos consumidores informações sobre a sustentabilidade da indústria da moda;
    • Etiquetas inteligentes: As etiquetas inteligentes podem ser utilizadas para rastrear o impacto ambiental de uma peça de roupa ao longo do seu ciclo de vida. As etiquetas podem fornecer aos consumidores informações sobre o material utilizado, o processo de produção e o impacto ambiental da peça de roupa;
    • Jogos e aplicações gamificadas: Os jogos e aplicações gamificadas são uma forma divertida e envolvente de educar os consumidores sobre a sustentabilidade. Podem fornecer aos consumidores informações sobre as tendências de moda sustentáveis, dicas para prolongar a vida útil das roupas e informações sobre como reciclar ou doar roupas usadas
    • Realidade Virtual (RV) e Realidade Aumentada (RA): A RV e RA podem ser utilizadas para criar experiências interativas que ajudem os consumidores a compreender melhor os impactos ambientais da indústria da moda. Por exemplo, os consumidores podem utilizar dispositivos de RV para experimentar como é trabalhar numa fábrica de vestuário ou visitar um aterro sanitário de têxteis. A H&M, Levi’s e Nike são exemplos de empresas com programas de educação online ou aplicações de RA para fornecer aos consumidores informações sobre os materiais sustentáveis utilizados pela empresa (H&M, Nike) ou sobre o ciclo de vida de um jeans e dicas para prolongar a vida útil das roupas (Levi’s) .A Patagonia lançou um jogo de RV que permite aos consumidores experimentar o impacto ambiental do descarte de roupas. O jogo também fornece informações sobre como reduzir o impacto ambiental da indústria da moda.Também nas organizações sem fins lucrativos, há exemplo da The Sustainable Apparel Coalition (SAC): esta reúne marcas, retalhistas, fabricantes e outras partes interessadas da indústria da moda para promover a sustentabilidade. Adicionalmente desenvolve um programa de educação online que fornece aos consumidores informações sobre os impactos ambientais da indústria da moda e dicas para fazer escolhas mais sustentáveis.

A adoção de tecnologias TIC pelo setor têxtil é uma tendência crescente. As TIC têm o potencial de transformar a indústria da moda numa indústria mais sustentável, ajudando a otimizar o consumo e consequentemente, a reduzir a poluição.

As TIC têm um potencial significativo para contribuir para a redução da poluição no setor têxtil. Estas tecnologias podem ser utilizadas para melhorar a eficiência da produção, reduzir o desperdício e promover a sustentabilidade, nomeadamente para:

  • Prever a procura de produtos: A IA pode ser usada para prever a procura de produtos com maior precisão, o que pode ajudar as empresas a produzir apenas o que é necessário;
  • Projetar coleções sustentáveis: A IA pode ser usada para projetar coleções sustentáveis, considerando fatores como o uso de materiais reciclados, a eficiência energética da produção e a redução do desperdício de material;
  • Criar experiências virtuais para os consumidores: A RV e RA podem ser usadas para criar experiências virtuais para os consumidores, o que pode ajudar a reduzir o número de devoluções;
  • Educar e sensibilizar o consumidor: Desde as mais tradicionais aplicações web, websites ou outras formas de interação digital, como a RV e a RA, estes mecanismos aplicados à sensibilização e educação permitem chegar a vários perfis de consumidores;
  • Otimizar as cadeias de abastecimento: A IA pode ser usada para otimizar as cadeias de abastecimento, o que pode reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e melhorar a eficiência;

A adoção de TIC pelo setor têxtil é uma tendência crescente e incontornável, que proporciona benefícios quer para as empresas, quer para os seus clientes, com benefícios igualmente relevantes para o meio ambiente, por ajudar a transformar a indústria da moda numa indústria mais sustentável.

Ana Caetano, Consultant