Partilhar

No passado dia 22 de outubro foi apresentado o Programa Nacional de Investimentos 2030 (PNI 2030), em cerimónia conduzida pelo Ministro das Infraestruturas e da Habitação e a Ministra da Agricultura, sendo a cerimónia encerrada pelo Primeiro Ministro António Costa.

O PNI 2030 é considerado um instrumento fundamental no planeamento da aplicação dos próximos dois orçamentos da União Europeia, definindo quais as linhas estratégicas a adaptar por Portugal naquilo que são as suas necessidades de investimento para a década de 2021 a 2030 e que procura responder a 3 desígnios, a Coesão, a Inovação e Competitividade e a Sustentabilidade e Ação Climática.

Este plano está assente em 85 programas e projetos, estando destinado 21.600 milhões de euros aos transportes e mobilidade, 7.400 milhões de euros ao ambiente, para a energia estão destinados 13.000 milhões de euros e ao regadio 750 milhões de euros.

Este programa procura responder a várias necessidades de investimento que estão identificadas como a Ferrovia, Estradas e Portos, a Redução do Impacto Ambiental, Mobilidade e Sustentabilidade.

Quanto à Ferrovia, este investimento além de estar destinado para a modernização da rede de oferta a nível de equipamento, está também destinado à de oferta de ligações, conseguindo assim um aumento da coesão territorial e aproximação ao exterior.

  • Modernização das infraestruturas ferroviárias e equipamentos
  • Dimensionamento das linhas ferroviárias
  • Linha de alta velocidade Porto-Lisboa
  • Nova linha Porto-Vigo

No que diz respeito à rodovia, neste programa de investimento face a outros anteriores é clara a diminuição de investimento nestas infraestruturas principalmente no litoral do país favorecendo, assim, o interior.

Já nas infraestruturas portuárias há uma intenção de aumentar o investimento nos principais portos pois estas plataformas são consideradas fundamentais para atração de investimento estrangeiro, por via de empresas europeias que procurem instalar-se em Portugal, aproximando-as, assim, de outros continentes.

Uma das principais preocupações deste PNI2030 é a ação climática e isso fica comprovado pelo facto de 85% dos 26 mil milhões de euros previstos terem impacto ambiental nas mais diversas áreas como demonstram as preocupações com a mobilidade, sustentabilidade e transição energética.

É esperado um investimento na aquisição de 2000 autocarros elétricos e a hidrogénio e de autocarros com vista a melhorar a oferta em territórios de baixa densidade.

Relativamente à transição energética importa referir o investimento previsto em mais eletrificação e em redes mais inteligentes, assim como o reforço de produção solar, eólica e os gases renováveis que a indústria poderá utilizar e nos quais será realizado investimento privado.

Está também previsto neste programa investimento no regadio, onde falamos de um investimento de 750 milhões de euros com programas que pretendem aumentar a adesão ao regadio, aumentar a área irrigada, recuperar energia e aumentar a eficiência hídrica.

Portugal está a preparar aquilo que são os próximos orçamentos da União Europeia e a ajustar quais são as suas prioridades de investimento estratégicas, este é um plano que começou a ser delineado durante o ano de 2019, por isso comprova-se que neste momento o mais importante é estarmos preparados para estas oportunidades que irão surgir.

Poderá ser encontrado o documento relativo ao Plano Nacional de Investimentos 2030 através da seguinte ligação.